Fashion Lab: conheça o primeiro espaço colaborativo destinado à inovação na indústria da moda

O primeiro espaço colaborativo para experimentação tecnológica no setor têxtil, de confecção e de moda foi inaugurado este mês, no Rio de Janeiro. O Fashion Lab, desenvolvido pelo SENAI CETIQT, conta com 400m² de infraestrutura destinada à criatividade e inovação, composto por maquinário de alta tecnologia para criação e implementação de novos produtos e processos.

“O Fashion Lab é um espaço maker que unirá empresas, profissionais, alunos, startups e universidades para criação de produtos inovadores, desenvolvendo projetos que virem negócios de verdade”, explica Fabian Diniz, gerente do Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil e de Confecção do SENAI CETIQT, durante a inauguração do espaço.

Sérgio Motta, diretor-geral da instituição, destacou que “o SENAI CETIQT é referência na área de Design de Moda e também em consultoria para processos produtivos e tecnologias para estruturas industriais. Sendo assim, o Fashion Lab une essas duas expertises para trazer ao profissional do setor a possibilidade de testar competências, projetos e processos relacionados ao futuro da moda”.

Membros de associações representativas do setor estiveram presentes na solenidade de inauguração, como Nelson Pereira Junior, presidente da Associação Brasileira de Tecnologia Têxtil, Confecção e Moda (ABTT); e Fernando Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (ABIT). Na ocasião, Pimentel ressaltou que o Fashion Lab viabiliza a aproximação de empresários de todos os portes com as melhores tecnologias disponíveis no mercado hoje. “É um espaço democrático, que permite com que as indústrias façam experimentações, já pensando no futuro. Muitas delas não teriam condições de ter esses equipamentos em suas plantas, nem parar a produção para realizar testes. Isso mostra toda a importância do ‘Sistema S’ para o desenvolvimento da tecnologia nacional”.

Com espaço integrados, o Fashion Lab possui, de um lado, uma área com máquinas para prototipagem, como sistemas virtuais, impressoras 3D e 4D multimateriais, fresadora de alta precisão, cortadora a laser multimateriais e cortadora de vinil; e do outro lado, uma Fábrica Modelo, com maquinário completo e novas tecnologias para experimentação de processos produtivos mais enxutos de confecção. Neste espaço, são ofertados serviços como aplicação do conceito Lean, fluxo contínuo, estudo de tempos e métodos, balanceamento da célula, menor desperdício, maior produtividade; além de integração dos processos, padronização do produto com qualidade assegurada, confiabilidade nos processos, e menor índice de não conformidade devido a otimização dos métodos.

Além disso, no Fashion Lab também será possível pensar estratégias de comercialização e experiências de consumo. Para isso, os usuários contam com um ponto de vendas híbrido (virtual + físico), além de um ponto de vendas totalmente em ambiente virtual. Por meio de óculos de realidade virtual, é possível, por exemplo, ‘passear’ por uma loja.

“O CETIQT sempre esteve atento ao que acontece no mundo, em relação às tendências e como podemos usá-las dando suporte ao desenvolvimento da cadeia têxtil e de confecção. Na moda, isso não é diferente. A moda é a ponta do iceberg, que puxa toda a cadeia têxtil e tangibiliza o que é feito no setor. E é justamente no Fashion Lab que temos um ambiente propício para pensar a moda de uma forma diferente, alinhada às tendências e à Indústria 4.0. Não dá para se pensar moda como antigamente diante do cenário que temos para o futuro, onde o consumo faz parte da cadeia produtiva”, discursou o diretor do SENAI CETIQT.

O presidente do Conselho Técnico Consultivo da instituição, Aguinaldo Diniz Filho, concorda: “A inauguração desse espaço abre uma perspectiva de mudança para uma realidade futura, no momento presente. A indústria deve pensar nesse espaço como um núcleo de desenvolvimento de produtos, de conhecimento e de pessoas, para que possamos ser cada vez mais competitivos, gerando emprego e renda”.

Representantes de importantes empresas do segmento também prestigiaram o evento. Thiago Resende, do setor de engenharia de produtos da Reserva, destacou que o Fashion Lab será bastante útil para a empresa, na testagem de protótipos e novas tecnologias. “Vamos usar muito o espaço em nossos trabalhos de inovação. Será como a nossa base tecnológica para solução de problemas em inovação”.

“O espaço é maravilhoso, não só pela questão da tecnologia, que salta aos olhos de imediato, mas, em nosso caso, pela mudança de processos e a metodologia Lean, que a TV Globo está buscando implementar. Pequenas mudanças no processo podem fazer total diferença na produtividade e tudo isso está muito conectado com inovação”, pontuou Michele Costa, coordenadora da fábrica de figurinos da TV Globo.

“Muitos modelos industrias atuais não têm o tempo de resposta para o mercado que a gente precisa hoje. O mercado muda muito rápido e precisamos gerar processos e modelos mais assertivos. Por ser um laboratório aberto, conseguimos experimentar o que é mais disruptivo, temos pessoas e equipamentos que fazem pensar fora da caixinha para encontrar soluções e inovar”, destacou Bernardo Barbosa, consultor técnico e responsável por coordenar as ações do Fashion Lab e da Fábrica Modelo, que explicou ainda que o uso do espaço se dará por meio do pagamento de taxas – mensais, por hora, ou por equipamento -, de acordo com a necessidade de cada cliente. “Primeiro entendemos a necessidade do fabricante ou empresário para ver de que forma e por quanto tempo ele utilizará cada um de nossos espaços”, explica.

O Fashion Lab também conta com um espaço para workshops e cursos. A Casa Firjan, unidade da Federação das Indústrias focada em inovação, é uma das parceiras do espaço e irá realizar eventos para compartilhar seus conteúdos teóricos em competências inovadoras com os usuários do espaço.

#SENAICETIQT #ABTT #FashionLab #ABIT

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*