São Paulo ganha primeira escola de Hortas Orgânicas Urbanas que busca a autonomia de pessoas acolhidas das ruas

O projeto foi desenvolvido para capacitar e gerar renda para pessoas em situação de rua, proporcionando geração de renda e conquista de autonomia pessoal e financeira dessa população.

A Horta Social Urbana/Cidadão Sustentável fica na região do Jabaquara.

A Associação de Resgate à Cidadania por Amor à Humanidade, em parceria com a Fundação Banco do Brasil, a Prefeitura de São Paulo e empresas apoiadoras, lançou nesta quarta-feira (5), a Horta Social Urbana/Cidadão Sustentável com homenagem à Lucy Montoro.

O projeto promove o desenvolvimento social de pessoas em situação de rua por meio da formação em agricultura urbana, focada na produção de alimentos orgânicos dentro da cidade. Os módulos aplicados na Horta Escola são embasados na psicologia humanista, com capacitações sócio-pedagógicas baseadas nos princípios e técnicas da Permacultura e da agroecologia. Na grade também estão incluídas aulas de empreendedorismo e educação financeira e a escolha dos alunos é feita a partir de um processo seletivo em Centros de Acolhida (albergues) da Prefeitura.

A Horta Social Urbana/Cidadão Sustentável fica na região do Jabaquara, bairro da zona sul de São Paulo, distrito conhecido pelos altos índices de desnutrição infantil e por ser uma região de deserto alimentar sendo realizado integralmente pela associação, sem custos para o município e financiado por apoiadores como Fundação Banco do Brasil, Itaú, Eletropaulo, Aktuellmix, Pão de Açúcar, por meio do Instituto GPA, entre outros.

A iniciativa também contempla a criação de novas hortas sociais em terrenos baldios, telhados de condomínios comerciais e residenciais, e outros espaços espalhados pela cidade, ampliando a oferta de alimentos livres de agrotóxicos dentro do município e promovendo geração de renda para a população que vive nas ruas.

Lucy Montoro

O Horta Escola faz uma homenagem a Lucy, que foi casada com o governador André Franco Montoro, (1916/2002) e presidiu o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo e tinha como grande sonho o desenvolvimento de hortas sociais para a capacitação profissional e geração de empregos de pessoas carentes.

O Instituto GPA

Fundado em 1998, o Instituto GPA é o braço social do GPA que tem como propósito contribuir com o despertar da empatia e da consciência individual e coletiva, provocando transformações sociais. Para isso, oferece oportunidades que ampliam as possibilidades de as pessoas irem ao encontro de sua vocação e incentiva ações de mobilização social.

HASHTAGS: #HortaSocialUrbana #CidadaoSustentavel #HortasOrganicasUrbanas #LucyMontoro #InstitutoGPA

Deixe um comentário