Protagonizado por Charlotte Rampling, “A MATRIARCA” estreia nos cinemas

Atriz interpreta uma ex-correspondente de guerra, que precisa se conectar com o neto rebelde num filme que combina drama e comédia.

No papel principal, Charlotte dá um show de interpretação.

A MATRIARCA, longa-metragem de Matthew J. Saville, protagonizado pela atriz inglesa Charlotte Rampling chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 28 de março, com distribuição da Pandora Filmes e classificação indicativa de 16 anos. O filme estreia nas seguintes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Florianópolis, Recife, Porto Alegre, Vitória, Salvador, Ribeirão Preto, Curitiba, Manaus e São Luís.

Rampling, atriz de blockbusters, como “Duna: Parte 2”, e filmes independentes, como “45 Anos”, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar, interpreta Ruth, uma famosa correspondente de guerra que agora está aposentada e com problemas com álcool. Ao ser expulso do internato, seu neto, Sam (George Ferrier), se surpreenderá ao encontrar aquela mulher que, até então, ele não conhecia, morando na antiga casa da família. O encontro entre os dois, num primeiro momento, é violento, mas, quando são obrigados a passar um tempo juntos, suas vidas irão se transformar.

Saville, que também assina o roteiro, conta que partiu de experiências pessoais para criar esse seu primeiro longa. “Quando eu tinha 17 anos, minha avó alcoólatra quebrou a perna e se mudou da Europa para morar na Nova Zelândia, na casa de sua família. Ela viveu uma vida incrível, esteve na Espanha durante a Guerra Civil Espanhola, enfrentou a África e bebeu gim suficiente para conservar um elefante. Na verdade, quando a conheci, ela bebia dois terços de uma garrafa de gim todos os dias. Ela era afiada, charmosa, engraçada e rude. Ela levou todos nós às lágrimas, mas também às gargalhadas. ”

TEMAS FORTES

Em A MATRIARCA, confessa, partiu dessas experiências e de seu relacionamento com a avó para criar um filme que “trata de alguns dos temas mais fortes a que somos confrontados como humanos: vida, amor, morte, tristeza, vergonha e nossa própria mortalidade. Este é um filme sobre a escolha que fazemos como humanos de viver e morrer, como lidamos com a dor e como aceitamos vida. Embora os temas sejam sombrios, seu tom é cômico e o drama não tem nada de sentimentalismo.”

Desde o começo, ele queria Charlotte para o papel principal. “Eu nunca tive certeza de que poderia convencê-la, mas também me senti confiante de que se ela lesse o roteiro, ela poderia se interessar.” Já a atriz confessa que o roteiro chamou sua atenção logo que começou a ler, e o fato de ser uma produção independente a animou. “Eu gosto de fazer filmes com uma equipe de produção menor também. Você sente que pode embarcar em uma aventura de uma maneira que você não pode com uma grande produção.”

Saville aponta que, mesmo partindo de suas experiências pessoais, A MATRIARCA traz uma história universal. “Espero que o filme seja uma experiência transformadora para o público. A história contém temas sombrios, mas acho que as pessoas sairão com um sentimento de esperança e acreditando que podemos superar as coisas que nos separam.”

Em entrevista recente para o jornal O Globo, Charlotte Rampling reflete sobre a atuação e a relação que tem com os personagens que costuma interpretou. “Com todos meus personagens, eu gosto de sentir que aquela é uma vida que eu poderia levar, que eu poderia ser aquela pessoa. Dessa forma, acredito no que estou fazendo (…). Gosto de refletir as qualidades humanas que acho interessantes. Talvez eu não tivesse a coragem de viver uma vida como a de Ruth, mas ao fingir você acaba vivendo emoções reais”.

Ganhador do Prêmio de Atriz no BIFEST – Bari International Film Festival, o longa tem recebido diversos elogios. “O filme tem charme espinhoso, em grande parte por causa da agressiva Rampling, cuja personalidade de ‘ice queen’ aqui abrange humor seco e tragédia fulminante”, escreveu Beatrice Loayza, no The New York Times. Já Erick Massoto disse no The Colider: “O filme é um daqueles que encapsula lindamente experiências de vida”.

SINOPSE

Ruth (Charlotte Rampling) é uma ex-correspondente de guerra, agora entediada na aposentadoria com um problema com bebida e uma perna recentemente fraturada. Sam (George Ferrier) é seu neto rebelde, recentemente expulso do internato e sofrendo com a morte de sua mãe. Quando os dois são reunidos sob o mesmo teto, eles formam um vínculo inesperado.

#AMATRIARCA #CharlotteRampling #EstréiaCinema #Estréia #Cinema #FilmeEmEstréia #Filme #Drama #Comédia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*