Luiz Costa Lima oferece panorama renovado sobre a mímesis

Com estudos de caso de obras de Virginia Woolf, Freud, Nietzsche, Georg Simmel, Schlegel e Hegel, entre outros, autor empreende mergulho ao âmago do tema caro à sua obra.

Requestionamento da mímesis e questões inéditas.

Passadas mais de quatro décadas da publicação de Mímesis e modernidade: formas das sombras, em 1980, hoje um clássico dos estudos literários brasileiros, seu autor, Luiz Costa Lima, nunca deixou de lado a temática sobre a qual ali já se debruçava com autoridade: a conceituação filológica da mímesis – grosso modo, a ideia aristotélica de constituir na arte o mundo das ideias. E agora, a partir de novos olhares, em O chão da mente: a pergunta pela ficção, o crítico literário se debruça sobre múltiplos caminhos para a questão que se apresenta como pilar de seus estudos, desfiando seu raciocínio a partir de estudos de caso de escritores como Virginia Woolf, Freud, Nietzsche, Georg Simmel, Schlegel e Hegel.

“Em livros recentes, a propósito do requestionamento da mímesis, tenho entremeado o retrospecto do que desenvolvo desde 1980 com reflexões ainda inéditas”, anota o autor. “Além de nova, a combinação mostrou-se necessária porque, tendo escrito dezesseis livros desde Mímesis e modernidade, não era crível supor que um número bastante de leitores conhecesse a integralidade da sequência. Além do mais, bem recordo que, na tentativa de evitar que a teorização entorpecesse o tratamento do problema em foco, sempre combinei o tema básico com sua abordagem particularizada em autores diversos.”

NOVAS REFLEXÕES

Ao longo de cinco grandes eixos, Costa Lima formula sua ambiciosa proposta: compilar novas reflexões sobre outras problemáticas surgidas desde que encarou o tema primeira vez ainda nos anos 1980, de forma a oferecer ao leitor brasileiro um panorama renovado atrelado ao tema da mímesis. Ressalte-se que o conjunto de livros que o autor tem dedicado a isso desenvolve o pressuposto contrário ao que têm dito seus intérpretes: para Costa Lima, a mímesis não é uma forma sub-reptícia de reafirmar o mundo.

Dentre sua extensa produção textual, esta obra é mais uma contribuição a um complexo projeto filosófico-antropológico-histórico-literário que estabelece o autor no cânone dos estudos literários brasileiros. Luiz Costa Lima propõe aqui uma imersão em conceitos que, mesmo articulando um grau de erudição desafiador – ou, quem sabe, exatamente por isso –, é esclarecedora e fascinante.

LANÇAMENTO

No próximo dia 8 de julho, quinta-feira, às 19h, a Fundação Editora da Unesp realiza o debate virtual “A ficção como forma discursiva”, que marca o lançamento do livro O chão da mente. A transmissão será pelo canal da Editora Unesp no YouTube e em sua página oficial no Facebook. Saiba mais sobre o evento aqui.

O AUTOR

Luiz Costa Lima é crítico literário e professor emérito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Publicou importantes livros de ensaios, entre eles Mímesis e a modernidade (1980), Vida e mímesis (2000), O controle do imaginário e a afirmação do romance (2009) e Frestas: a teorização em um país periférico (2013). Pela Editora Unesp, publicou, em 2017, Melancolia: literatura.

SERVIÇO:

Título: O chão da mente: a pergunta pela ficção
Autor: Luiz Costa Lima
Número de páginas: 328
Preço: R$ 69

#OChaoDaMente #LuizCostaLima #LancanentoDeLivro #FundacaoEditoraDaUnesp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*