Primeira desenvolvedora mulher é contratada pela startup Appmax

Profissional se junta à equipe responsável pelo desenvolvimento e manutenção da plataforma de pagamento para e-commerces e negócios digitais; participação feminina na área de tecnologia ainda é baixa.

Formada em Ciências da Computação, Iorgama mora próximo de Porto Alegre, onde a startup é sediada.

Apesar de ter crescido nos últimos anos, apenas 20% dos profissionais do mercado de tecnologia brasileiro são mulheres, segundo dados do Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Neste cenário, a chegada de Iorgama Porcely ao time da Appmax como a primeira desenvolvedora da equipe tem um peso diferente para a marca, que busca contribuir para uma maior participação feminina nas startups de tecnologia do país.

Formada em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Alagoas, hoje a profissional de 28 anos mora próximo de Porto Alegre (RS), onde a startup é sediada. “Fui uma das poucas mulheres neste curso da faculdade e, ainda hoje, é difícil encontrar outra mulher atuando como desenvolvedora. Comecei na área como front-end, mas trabalho como full stack há dois anos e encarei como um desafio a proposta de atuar com meios de pagamento”, destaca.

Porcely afirma que já presenciou machismo, diferenças salariais entre homens e mulheres e preconceito em relação à maternidade em outras experiências, e que está feliz com a oportunidade de evoluir e crescer junto com a empresa. Entre as metas da desenvolvedora recém contratada estão otimizar aplicações para melhor performance e eficiência, aprimorar rotinas e automatizar processos dentro da plataforma. Foi essencial para a conquista da vaga a experiência dela com desenvolvimento de softwares em PHP, uso do sistema Linux, Javascript e Laravel.

Recrutamento

O mercado de tecnologia brasileiro registra déficit anual de 24 mil especialistas, de acordo com estudo da Brasscom – Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. A Appmax vem aprimorando os processos de atração e retenção de talentos tech para buscar no mercado os profissionais mais capacitados e atrair mulheres para o quadro de tecnologia é um dos primeiros passos na promoção de equidade de gênero dentro da startup.

“Tratar todos os colaboradores de forma igualitária é o mínimo que podemos fazer. Precisamos sempre valorizar aqueles que cooperam para que nossos clientes obtenham os melhores resultados independente de gênero ou qualquer outro fator. Queremos trazer cada vez mais pessoas com a expertise da Iorgama Porcely para o time”, afirma a co-fundadora e diretora de operações, Betina Wecker.
A Appmax, enquanto plataforma de soluções de pagamento para e-commerces e negócios digitais, tem como diferencial a maximização do negócio dos clientes por meio da oferta de soluções tecnológicas próprias. Bons exemplos seriam a recuperação de até um terço dos carrinhos abandonados após o consumidor deixar o site na etapa do checkout e o aumento da aprovação de vendas por cartão de crédito através do antifraude híbrido. Esse sistema impulsiona o faturamento mensal ao aprovar tentativas de compras legítimas que, em um primeiro momento, haviam sido bloqueadas pelo antifraude automático por suspeita de golpe.

Transações de R﹩ 1 bi

Em 2021, a startup selecionada pela segunda vez consecutiva para o programa de aceleração Scale-up da Endeavor deve transacionar R﹩ 1 bilhão em sua plataforma. Atualmente conta com 330 colaboradores e as vagas abertas para desenvolvedores e desenvolvedoras, entre várias outras funções, podem ser conferidas no site http://www.appmax.com.br/carreiras .

Todos os equipamentos e recursos necessários para trabalho em home office são fornecidos para os profissionais contratados, assim como ajuda de custo para despesas do trabalho remoto, auxílio refeição ou alimentação e plano de saúde.

#IorgamaPorcely #TrabalhoFeminino #Machismo #Appmax

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*