Preconceito é tema do  Salão de Humor da Cidadania

Projeto chega pela primeira vez a Brasília e traz o tema “Preconceito não tem graça” sob a ótica de artistas nacionais e internacionais. As inscrições vão até 10 de julho.

Os temas tratados nos trabalhos serão divididos em três modalidades.

Humor é coisa séria! Para provar que com a arte é possível fazer uma crítica social, chega a Brasília o  Salão de Humor da Cidadania com o tema “Preconceito não tem graça”. “A proposta do Salão de Humor da Cidadania é ampliar a integração de setores da sociedade à agenda cultural da inclusão no combate ao preconceito, fortalecimento da cidadania, promoção, defesa e a proteção dos direitos humanos, por meio do desenho de humor gráfico”, conta Eustáquio Santos, diretor-presidente da Cooperativa Central Base de Apoio do Sistema ECOSOL no Distrito Federal Base Brasília. A premiação tem fomento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), conforme termo celebrado entre a Cooperativa e a Secretaria da Cultura do GDF.

Os temas tratados nos trabalhos serão divididos em três modalidades: atitudes preconceituosas, convivência e respeito às diferenças e defesa dos direitos humanos. O prêmio irá celebrar tanto participantes profissionais quanto amadores de todo o país e estrangeiros. A ideia é abrir portas para talentos consagrados e novos talentos da arte, que terão espaço para fazer seu nome. “Além de fomentar o desenvolvimento de novos artistas e incentivar a formação de um público que esteja mais familiarizado com o universo do humor gráfico, a principal importância deste projeto é permitir que os cartunistas possam participar na difusão das obras resultantes do projeto como instrumentos de entretenimento, informação e reflexão, mediados pelas relações entre a arte e a dimensão sociocultural que vivemos atualmente”, afirma a organizadora do evento, Terezinha Pantoja.

Incluir artistas estrangeiros no prêmio revela a preocupação com a atual situação do mundo, que vive o drama dos refugiados, fenômeno observado e sentido, inclusive, no Brasil. A organizadora fala sobre a relação dos próprios artistas com o impacto de seus trabalhos na sociedade: “É inegável a importância do desenho humorístico seja como documento histórico, fonte de informação social, comportamental, política e psicológica, ou até mesmo como termômetro de opinião, fenômeno estético, expressão artística e literária”.

O cartunista Jô Oliveira ressalta a importância de usar o humor mesmo em tempos de crise: “Eu acho que não existe melhor momento para se fazer o Salão de Humor porque a situação que vivemos na atualidade é tão caótica que nós, cartunistas, chargistas, artistas, podemos transformar tudo isso em observações próprias com humor. O humor é muito crítico, com ele o desenhista de humor sempre expressa seu pensamento”.

A organização espera receber  charges, cartuns, caricaturas e tiras de humor vindos de todo o país e uma mostra será organizada em Brasília para expor as obras selecionadas entre os dias 23 e 27 de agosto no shopping Conjunto Nacional.

Paralelamente à mostra competitiva de desenhos de humor gráfico, sob o tema “Preconceito Não Tem Graça”, o projeto prevê realização de minicurso de cartazista, oficinas de desenho de humor gráfico, um seminário sobre humor gráfico e o mercado editorial e um fórum de discussão a respeito de Bullyng e Direitos Humanos, tudo é oferecido gratuitamente.

Serão selecionados 90 obras e 11 serão premiadas como as melhores obras do Salão, julgadas pelo júri técnico e pelo júri popular. Os prêmios também serão divididos em três categorias: distrital, nacional e internacional.

INSCRIÇÕES

Até o dia 10 de julho pelo site www.humordebrasilia.com.br. No caso de entrega ou envio do trabalho, é necessário seguir o regulamento, que exige que a inscrição seja realizada junto à entrega do trabalho. As obras deverão ser enviadas no formato A3, horizontal ou vertical, com a ficha de inscrição preenchida, para o endereço da Cooperativa Central Base de Apoio ao Sistema ECOSOL no Distrito Federal, (Setor Hoteleiro Sul, Quadra 1, Bloco A, Galeria do Hotel Nacional – Lojas 36/37, Asa Sul, Brasília/DF. O CEP é 70 322 – 900).

PROGRAMAÇÃO

-       Seminário sobre “a produção do humor gráfico e o mercado editorial”

Com duração de 4 horas para 40 participantes visando abrir novos espaços e outras formas de visualidade (cartunistas, jornalistas, produtores culturais, estudantes de desenho artístico, grafiteiros, designs, ilustradores, entre outros interessados);

-       Oficinas de desenho de humor gráfico

Serão quatro oficinas com 2 horas de duração cada uma em dois dias durante a exposição para 60 participantes, visado instruir para a expressão em poucos traços, de fatos reais aliados à capacidade de percepção, análise e compreensão de situações do cotidiano (estudantes, visitantes da exposição e outros interessados);

-       Minicurso de cartazista

Com duração de 4 horas para 20 participantes visando capacitar para a inserção no mercado de trabalho, dentro da arte visual gráfica, dotando os orientandos de técnica e ética profissional (artistas plásticos, designers gráficos, pessoas e estudantes que gostem de desenhar, estudantes de altas habilidades da rede oficial de Ensino do DF e outros interessados);

-       Fórum de discussão (Bullyng e Direitos Humanos)

Com duração de 4 horas para 80 participantes. O objetivo é criar um ambiente de debate como desafio para democratizar e ampliar o conhecimento, reflexões e práticas positivas na sociedade contra o preconceito, fortalecimento da cidadania e estimulo à cultura de paz (estudantes da rede oficial de Ensino do DF, componentes dos organismos de promoção, defesa, educação e proteção dos direitos humanos, ativistas culturais e outros interessados).

HASHTAGS: #SalaodeHumordaCidadania #PreconceitoNaoTemGraca #humor #preconceito #humorcontraopreconceito #combateaopreconceito #cidadania

Deixe um comentário

*