Boa notícia para os diabéticos no Brasil: a CNOGA recebeu aprovação da ANVISA para comercialização no BRASIL de seu revolucionário Glucômetro Não Invasivo

O dispositivo CoG é o primeiro Glucômetro Não-invasivo aprovado pela ANVISA.
O dispositivo CoG é o primeiro Glucômetro Não-invasivo aprovado pela ANVISA.

A CNOGA Medical Ltd. anunciou hoje que recebeu a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para venda no Brasil de seus dispositivos não-invasivos CNOGA Tensortip? Combo de Glicômetro (CoG).

Este é o primeiro Glucômetro Não-invasivo aprovado pela ANVISA. O dispositivo CoG usa um sensor de imagem de cor em tempo real  e algoritmos únicos para medir com precisão os níveis de glicose a partir de capilares sanguíneos na ponta dos dedos dos pacientes sem picada da lanceta, retirada de sangue ou dor. A medição pode ser feita quantas vezes for necessário sem acréscimo de custo.

A CNOGA Medical Ltd. espera lançar os dispositivos TensorTip? durante a exposição Hospitalar, em São Paulo, em maio de 2016. “A aprovação  pela ANVISA no Brasil é um marco significativo no sentido de atingir os nossos objetivos de expansão global a longo prazo”, afirma o Dr. Yosef Segman, fundador e CEO da CNOGA.

Ainda segundo o Dr. Segman, o Brasil é um mercado dinâmico, de rápido crescimento para dispositivos médicos não-invasivos inovadores na monitorização de saúde online. “Este importante marco representa uma oportunidade de crescimento substancial para CNOGA e espera-se acordos comerciais de dezenas de milhões de dólares nos próximos anos no Brasil. Recentemente, a CNOGA estabeleceu uma presença física no Brasil com uma escritório da empresa em São Paulo,” concluiu o executivo.

O CoG é a mais recente adição ao portfólio de produtos CNOGA aprovads pela ANVISA, criando, assim, a linha de produtos mais abrangente disponível hoje no Brasil, permitindo o oferecimento ao público de serviços de saúde estado-da-arte e significativamente mudando a vida dos diabéticos, bem como de outros pacientes crônicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*