Vacinação mantém Brasil livre da poliomielite

Tomar as doses da vacina em dia é a principal forma de evitar a doença.

Após superar a meta de 95%de vacinação de crianças de um a menos de cinco anos, o Brasil volta a reforçar a necessidade da imunização contra a poliomielite. No Dia Mundial de Combate à Poliomielite, celebrado no último dai 24 de outubro, ficou clara mais uma vez a importância de tomar em dia as doses da vacina, como único meio de impedir que o vírus encontre uma fonte de infecção.

Apesar de ser a única forma de prevenção, há a falsa sensação de parte da população que não é mais necessário se imunizar. Em julho deste ano, 312 municípios brasileiros estavam com cobertura vacinal abaixo de 50% para a pólio. O dado levou o governo federal a intensificar a campanha para imunizar quem tinha de um a menos cinco anos. A meta estabelecida foi cumprida no fim de setembro.

Parte da campanha de vacinação teve como foco o combate a boatos e informações falsas. Por isso, o Ministério da Saúde reforça que as vacinas são seguras e passam por um rígido processo de validação. As reações são raras e limitadas, como febre. Ou seja, o benefício de proteger a criança é maior do que o risco de que ela sofra efeitos colaterais.

Transmissão

Confira dicas sobre a vacinaçãoA poliomielite é transmitida por contato direto pessoa a pessoa em crianças e em adultos, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar).

Desde 1990, o Brasil não registra casos da doença. Em virtude disso, em 1994, o País recebeu, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Certificação de Área Livre de Circulação do Poliovírus Selvagem. Atualmente, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, três países são considerados endêmicos: Paquistão, Nigéria e Afeganistão.

Proliferação

Entre os fatores que favorecem a proliferação do vírus estão a falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária. A poliomielite é caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente e sua evolução, frequentemente, não ultrapassa três dias.

Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular, com sensibilidade conservada e a falta de reflexo no segmento atingido.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde

#poliomielite #polio #vacinadapoliomielite #vacinadapolio #vacinacao #paralisiainfantil

Deixe um comentário