Menos de 7% dos paulistanos tem intenção de contrair empréstimos nos próximos meses

empr

Segundo a FecomercioSP, Índice de Intenção de Financiamento caiu 28,2% na comparação com maio de 2015 e deve influenciar negativamente as vendas do Dia dos Namorados.

O Índice de Intenção de Financiamento atingiu 14,4 pontos em maio, leve elevação de 0,8% em relação ao mês anterior. Apesar do aumento, o resultado é o segundo menor da série histórica iniciada em junho de 2012. Na comparação com maio de 2015, quando o indicador registrou 20 pontos, o recuo foi de 28,2%, o que sinaliza que, assim como foram baixas as vendas no Dia das Mães, os gastos no Dia dos Namorados também serão menores. Apenas 6,9% dos entrevistados afirmaram ter intenção de contrair empréstimos nos próximos três meses, ante 6,6% em abril e 9,5% em maio de 2015. 

Os dados são da Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). 

O Índice de Segurança de Crédito, que mede a capacidade do consumidor de pagar dívidas, apresentou queda (-4,9%) na comparação com abril e atingiu 80,1 pontos. Já no comparativo anual houve recuo de 0,8%. Entre os endividados, o índice caiu 5,1% no mês, enquanto, entre os não endividados, registrou diminuição de 4,1%.  

De acordo com a FecomercioSP, existe uma retração da intenção de financiamento das famílias, que receiam não poder honrar compromissos no médio e longo prazos. Esse comportamento responsável é o que tem mantido o risco de crédito estável, apesar de elevado, mesmo em um momento de aumento do desemprego. Porém, a Federação alerta para o risco de inadimplência caso o desemprego suba ainda mais neste ano. Toda estratégia de controle de gastos e corte de despesas tem limites, e as famílias podem estar chegando perto dele. 

Aplicações

A poupança continua a ser a preferida dos brasileiros, mas tem perdido espaço para renda fixa por conta da inflação e da Selic elevadas. Em maio, 68% dos aplicadores tinham na poupança o principal destino dos seus recursos. Em maio de 2015, a proporção era de 72,1%. Segundo a Entidade, a poupança continua gradativamente a perder espaço tanto para a renda fixa quanto para previdência privada, como era esperado diante de juros nominais de 14,25% e do envelhecimento da população. 

A proporção de investidores cuja principal aplicação é a renda fixa atingiu 19,5%, ante 16,6% no mesmo mês de 2015. No caso da previdência privada, a parcela passou de 5,6% para 7% no mesmo período. Já nas aplicações em ações, a proporção chegou a 3,2%, após meses de estabilidade ao redor de 2%. 

Para a FecomercioSP, a tendência é de que os juros básicos sejam reduzidos e é possível, assim, que os investidores que mantiverem a poupança voltem a apostar na segurança da caderneta. Por outro lado, muitos aplicadores tendem a ser bastante resistentes a mudar de aplicação no curto prazo, o que deve evitar alterações bruscas no quadro atual. 

Deixe um comentário

*