Queda de consumo de peças de ouro gera oportunidade para franquias de semijoias

Diante de preços elevados e o alto risco, consumidores compram menos produtos valiosos, mas não abrem mão da qualidade e da sofisticação das semijoias.

Consumidores compram menos produtos valiosos, mas não abrem mão da qualidade e da sofisticação das semijoias.

O interesse pelas semijoias cresce entre os consumidores de todas as classes, hábito de compra que tem causado um impacto negativo ao mercado de acessórios valiosos – onde há cada vez menos compradores. A Global Jewelry Information Website (CREBi) estima que a joia de ouro perderá mais de 40% de seu mercado nos próximos anos, restringindo-se quase que exclusivamente a joias de noivado e casamento.

Prova disso é que as exportações e importações brasileiras caíram 20% nos primeiros sete meses deste ano, indicando que a situação do mercado interno e externo não vai nada bem. “O aumento do preço do ouro e o risco que as pessoas correm ao usar peças caras são os principais fatores que contribuíram para a queda do consumo”, diz Marcos Pertile, diretor da rede de semijoias Mapa da Mina.

Diante deste cenário, franquias que atuam no segmento de semijoias têm oportunidade de alavancar seus negócios, como é o caso da rede Mapa da Mina, marca que tem seis unidades localizadas no Rio de Janeiro. A empresa, que produz e comercializa semijoias, iniciou seu projeto de expansão há apenas três meses e irá inaugurar, em novembro, uma unidade no Madureira Shopping. Serão mais quatro franquias cariocas até janeiro de 2015. O investimento aproximado nestas unidades é de R$ 900 mil.

Mapa da Mina

De qualquer forma, os consumidores buscam acessórios que tragam a sofisticação e o glamour de uma peça valiosa.  De olho nesse cliente, que busca produtos com design diferenciado, a Mapa da Mina passou a fabricar as próprias peças e, atualmente, tem capacidade para produzir 200 mil itens por mês – o mix de produtos chega a 3 mil.

“Nos últimos anos, com o aumento do poder aquisitivo da classe C, as empresas de folheados a ouro investiram muito no setor de designer dentro de sua estrutura física. Contrataram profissionais e investiram em equipamentos de ultima geração, para confecção dos protótipos, conseguindo assim peças mais sofisticadas, como é o nosso caso”, diz o diretor da empresa, Marcos Pertile. Em 2013, a Mapa da Mina faturou R$ 9,6 milhões e, para este ano, a previsão de crescimento é de 15%.

Deixe um comentário

*