Mesmo em momento de crise, indústria de casamentos se supera

Fornecedores oferecem opções mais flexíveis e número de eventos cresce.

Fornecedores oferecem opções mais flexíveis e número de eventos cresce.

Em tempo de instabilidade que o Brasil vem enfrentando é natural que as pessoas pesquisem mais sobre seus fornecedores e fiquem inseguras em relação aos seus investimentos. Com isso, diversos setores e empresas foram diretamente impactados, resultando nos altos índices de desemprego. Entretanto, o setor de eventos sociais, como casamentos e festas em geral, vem se sobressaindo em meio a todas essas incertezas econômicas.

Segundo Marlene Ribeiro, sócia-diretora do Evian Eventos – buffet especializado em eventos sociais – o ano de 2016 apresentou um crescimento de 15% em relação ao número de eventos quando comparado com o ano anterior, e isso se deu por conta da mudança no mercado. “Com a crise diversas empresas não conseguiriam superar o atual momento e acabaram fechando suas portas, o que resultou no estreitamento da competitividade”, explica. Além disso, a executiva ressalta que a tradição pelo casamento também favorece o setor, sendo muitas vezes o grande sonho do casal. “Nossos clientes deixam de trocar de carro ou investir um pouco mais no apartamento para conquistar a tão esperada festa”, pontua.

Entretanto, Wellington Gonçalves, diretor de operações da Graduate Eventos – empresa de fotografia e vídeo especializada em casamentos – afirma que por conta desta mudança os clientes também modificaram a forma como realizam seus pagamentos. “Enquanto que em 2015 os eventos eram pagos, em sua grande maioria, com condições facilitadas e parcelamentos mensais, em 2016 os pagamentos já foram feitos de forma única, à vista ou no máximo em duas vezes, sempre muito próximo a data do evento”, conta. Ainda de acordo com ele, este cenário além de alterar a forma como as empresas trabalham, também possibilitou que o mercado como um todo efetuasse reajustes em seus preços. “Os clientes já esperam descontos e facilidades quando priorizam pagamentos á vista, por isso, na hora de efetuarmos nossas compras com os fornecedores, precisamos barganhar também, impactando todo o mercado”, comenta.

Para Thiago Augusto, diretor comercial da Double Bar – empresa especializada em serviços de bar premium – este quadro inevitavelmente apresentou uma leve queda no ticket médio da empresa, mas não possibilitou uma diminuição no número de eventos, ao contrário, o empresário afirma que duplicou a quantidade de festas. “Esse aumento se deu por que percebemos que mesmo com a crise os clientes não deixaram de contratar os serviços extras, por isso, disponibilizamos no mercado pacotes mais simples que favoreçam essas contratações”, diz. Além disso, o executivo relata que as empresas sentiram o efeito da crise. “Nós estamos com fluxo de trabalho muito maior, pois as pessoas não deixaram de investir mesmo que com um valor menor do que o ofertado antes da crise”, conclui.

Deixe um comentário