Kassab destaca ações do Ministério das Cidades em transporte, planejamento urbano, saneamento e habitação

Em reunião do Conselho Político e Social da ACSP, Gilberto Kassab disse que, se o Ministério das Cidades sofrer corte, esse deverá ser suave.

Em reunião do Conselho Político e Social da ACSP, Kassab disse que, se o Ministério das Cidades sofrer corte, esse deverá ser suave.

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, fez palestra na manhã desta segunda-feira (2/3) na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no centro da capital paulista. Durante reunião do Conselho Político e Social da ACSP, ele falou sobre os principais projetos do Ministério.  

Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), celebrou encontros como esse. “Raramente nós vemos, no momento em que vivemos hoje, um grupo de pessoas que pensam o Brasil. Essas reuniões têm sido um momento de parada para pensar o país”, afirmou Amato.  

Estiveram presentes Jorge Bornhausen, ex-senador e coordenador do COPS; José Paulo Dornelles Cairoli, vice-governador do Rio Grande do Sul e presidente da CACB; Alencar Burti, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae e presidente eleito da ACSP/Facesp/gestão março 2015-março2017; Paulo Maluf, deputado federal; José Police Neto, vereador; Germano Rigotto, ex-governador do RS; Vilmar Rocha, secretário do Meio Ambiente de Goiás; entre outras autoridades. 

As principais atribuições do Ministério

Assim como Amato, Gilberto Kassab destacou a importância do papel da ACSP e do Conselho Político e Social. “É difícil hoje reunir pessoas num trabalho permanente. E o COPS, graças ao ânimo de seus integrantes, se tornou referência na cidade e no estado. Discute políticas públicas, traz propostas, convida personalidades de importância no cenário da vida política, econômica e social brasileira. E isso faz com que a ACSP e a Facesp continuem a ser referência e participem dos destinos da cidade”, disse o ministro das Cidades. 

Ele destacou as principais atribuições do Ministério nas áreas de mobilidade e transportes, planejamento urbano, saneamento e habitação. Disse que a pasta será uma das poucas áreas que, diante da atual crise econômica, não sofrerão cortes intensos de gastos por estar ligada a programas sociais e a transporte – que são prioridade dos atuais governos, de acordo com o ministro. “Se tiverem cortes, serão muito suaves”, assegurou. “Ficou claro o quanto era fundamental os governos farem prioridade à mobilidade, que não estava na prateleira dos principais projetos do país”. 

Kassab revelou que o Ministério das Cidades vai fazer um convênio com a Universidade de São Paulo para criação de um grupo de trabalho que vai apoiar e desenvolver gratuitamente planos diretores e legislações para os municípios, de acordo com as necessidades. Contou, também, que os projetos de transporte vão requerer US$ 400 bilhões do governo federal nos próximos anos, e que já existem US$ 150 bilhões na forma de carteira de projetos.   

O palestrante lembrou o envolvimento do Ministério com o programa Minha Casa Minha Vida. “Até o final desse mandato, o programa terá construído 6,7 milhões de casas populares”, disse. 

A desburocratização nas questões ligadas ao trânsito nas cidades também foi mencionada por Kassab. Ele lembrou que, no início de 2015, o Ministério suspendeu por 90 dias – e vai avaliar nova suspensão – a exigência de extintor de incêndio nos carros. Para ele, é necessária uma campanha para explicar melhor essa obrigatoriedade.  

Deixe um comentário

*