Filtro solar comum não impede danos do calor na pele. Descubra como se proteger do Infravermelho

Capaz de penetrar nas camadas mais profundas da pele, a radiação infravermelho A gera radicais livres em todas as camadas da pele e degrada colágeno, envelhecendo o tecido cutâneo. Conheça a molécula que protege a pele contra essa agressão.

2019 começou como um dos anos mais quentes do século XXI e os níveis de radiação estão altíssimos. Por esse motivo, muitos médicos, principalmente dermatologistas, indicam o uso do fotoprotetor diariamente, sendo que deve ser reaplicado a cada duas horas em exposição direta ao sol. Mas além dos raios UVA e UVB, a pele também é afetada por outra radiação: IR (Infravermelho). “O Infrared (infravermelho ou IV) é sentido através do calor ou mormaço. É uma radiação que acomete num comprimento de onda suficiente para atingir a derme mais profunda — a derme reticular — onde estão as fibras de ancoragem e sustentação da pele. E isso provoca um dano muito importante, com menor elasticidade e uma piora no aspecto geral com a destruição do arquétipo da pele. Além de um maior potencial de cancerização”, afirma a dermatologista Dra Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

Também presente em ambientes com temperatura elevada como uma cozinha, uma sala abafada, ou um carro fechado (e que ficou exposto ao sol), esse tipo de calor é muito nocivo à pele. Sem proteção adequada, os radicais livres são formados e danificam as camadas da pele. “A radiação infravermelho A é traduzida na forma de calor, então não é somente durante a exposição solar que temos danos, ocorre também em ambientes quentes e abafados”, explica a farmacêutica e diretora científica da Biotec Dermocosméticos, Mika Yamaguchi.

Essa radiação, segundo a diretora, causa o fotoenvelhecimento e também a degradação do colágeno. “Ao mesmo tempo, há um déficit energético, pois aumenta a produção de radicais livres no interior da mitocôndria. Então, precisamos de uma proteção além dos filtros solares, uma proteção nas camadas mais profundas”, completa. Essa proteção profunda é necessária porque a maioria dos fotoprotetores existentes não protege as células da pele completamente contra os raios UVA e Infravermelho A. “Então, para evitar a flacidez e as rugas, é importante o uso do protetor solar com filtros físicos e antioxidantes que diminuam o processo inflamatório causado pelo InfraRed”, lembra a dermatologista Dra Claudia.

Segundo Mika, um ativo poderoso foi desenvolvido para proteção da pele. É o OTZ 10, investimento de pesquisas da empresa Exsymol, de Mônaco, e disponível no Brasil pela Biotec Dermocosméticos. “O OTZ 10 é uma molécula pequena que permeia até a hipoderme, assim ela neutraliza a ação dos radicais livres em todos os níveis, protegendo as proteínas (colágeno e elastina) da degradação. Durante o processo de neutralização, ele forma a pro-taurina, um aminoácido osmorregulador e protetor de DNA, que complementa a ação dos filtros solares”, explica.

De acordo com a farmacêutica, um ponto importante na escolha do antioxidante é que durante o processo de neutralização dos diversos tipos de radicais livres, ele não pode formar produtos subtóxicos ou tóxicos. “É importante que ele forme subprodutos neutros e que sejam eliminados pelo organismo, como o OTZ 10”. Conhecido na Europa como “salva-vidas” e “protetor celular”, o OTZ 10, em razão da sua ação inovadora e única, pode ter seu efeito potencializado quando associado a outros ativos. “Com o Alistin, ambos formam um sistema antioxidante diferenciado contra o fotoenvelhecimento, protegendo as células contra os efeitos dos raios solares e proporcionam uma ação antiglicante e deglicante à pele, com capacidade de reverter até as rugas”, diz. Para ter um efeito ainda melhor, as cápsulas com Glycoxil e Bio-Arct podem ser usadas, já que as substâncias têm ação antioxidante e melhoram a oxigenação celular, também protegendo o DNA.

O sistema antioxidante avançado OTZ 10 pode ser incorporado em cremes, géis, loções, séruns etc, e é encontrado em farmácias de manipulação. “Consulte sempre seu médico, que poderá personalizar a fórmula de acordo com a sua necessidade”, finaliza Mika.

Fonte: A Biotec Dermocosméticos é empresa especializada em divulgar ao mercado de farmácias magistrais, área dermatológica e medicina estética, ativos e conceitos nutricosméticos e dermocosméticos inovadores. www.biotecdermo.com.br / SAC: 0800-7706160.

#BiotecDermocosmeticos #MikaYamaguchi #ClaudiaMarcal #SociedadeBrasileiradeDermatologia #Alistin #Exsymol #Glycoxil #BioArct

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*