Congresso da OIV aponta caminho promissor para vitivinicultura brasileira

Eventos da Organização Mundial da Vinha e do Vinho, na Argentina, foram prestigiados por público recorde de 1,2 mil pessoas. Dados como redução de área plantada na Europa e tendências de consumo foram divulgados pela entidade. 

Kelly Bruch, a presidente da OIV, Claudia Quini, e Regina Vanderline junto ao chefe da delegação brasileira, Helder Borges. Foto: Divulgação/OIV

Kelly Bruch, a presidente da OIV, Claudia Quini, e Regina Vanderline junto ao chefe da delegação brasileira, Helder Borges.

A comitiva brasileira, com mais de cem pessoas, foi a mais expressiva entre os grupos que formaram o público de 1,2 mil pessoas no 37º Congresso Mundial da Vinha e do Vinho, público recorde na história do evento, que ocorre anualmente.  Além de participar do congresso – encontro voltado a pesquisas – o Brasil foi representado também na 12ª Assembleia Geral da Organização Mundial da Vinha e do Vinho (OIV), que define diretrizes para o setor. Os dois eventos foram realizados em Mendoza, na Argentina, entre os dias 10 e 14 de novembro. 

Para o presidente do Sindicato da Indústria do Vinho do Rio Grande do Sul (Sindivinho), Gilmar Pedrucci, a divulgação dos números do mercado mundial tem uma importância fundamental para o planejamento de ações. “De cada cinco garrafas de vinhos tranquilos e espumantes consumidas no mundo duas são importadas, então existe um comércio global bastante aquecido. Isso é um bom sinal para a indústria brasileira, que pode buscar novos mercados”, afirma, considerando-se que o consumo de espumante brasileiro cresceu 40% nos últimos 10 anos.  Nos últimos anos, a Europa reduziu seus vinhedos em 400 mil hectares, em função do excesso de produção. O estudo divulgado pela OIV destaca ainda que, em 2013, o famoso espumante da região de Champagne, na França, cresceu apenas 3%, enquanto, no mesmo período, o produto brasileiro teve incremento de 7%. 

A assessora jurídica do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Kelly Lissandra Bruch, cita o grande volume de trabalhos científicos enviados à organização: mais de 500, o que demonstra um grande interesse em pesquisa na área da vitivinicultura. Além do congresso, a 12ª Assembleia Geral da OIV, realizada no dia 14, também teve bons resultados, segundo a assessora jurídica. Kelly destaca a aprovação de dez resoluções, dentre as quais a que descreve a função do sommelier. “Antes não existia um parâmetro internacional para entender qual o papel do profissional sommelier no âmbito da vitivinicultura. Essa resolução cumpre essa demanda”, sinaliza. 

Melhorias e aperfeiçoamentos constantes

O presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Moacir Mazzarollo, explica que o congresso voltou-se a quatro grandes áreas: economia e direito, segurança e saúde, enologia e viticultura, sua área de atuação. Sobre o cultivo de uva, foram debatidos assuntos como manejo do solo, volume e qualidade da safra, produção por hectare, uso de agroquímicos e interferências climáticas. “Todos são temas que interessam ao setor produtivo brasileiro, que vem atravessando um período de constantes melhorias e aperfeiçoamento da matéria-prima e, consequentemente, dos produtos vitivinícolas”, afirma. 

O encontro também serviu para que o Brasil analise a melhor forma de recepção, já que, em 2016, o congresso será em solo nacional, no município de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. O coordenador da Câmara Setorial da Uva e do Vinho da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa-RS), Jorge Hoffmann, afirmou que será importante a integração da comunidade ao evento. 

Também formaram a comitiva o diretor executivo do Ibravin, Carlos Paviani, o representante da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Daniel Basile, o delegado brasileiro e representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Helder Borges, o diretor do Departamento da Área Vegetal do Mapa, Fábio Ferreira, o representante da Embrapa Uva e Vinho, José Fernando Protas, a gerente geral do Laboratório de Referência de Enologia (Laren) e secretária Científica da Subcomissão de Métodos de Análises da OIV, Regina Vamderlinde, além de proprietários de vinícolas, enólogos, estudantes e professores do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), de Bento Gonçalves, da Universidade de Caxias do Sul (UCS), da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) entre outros.

Deixe um comentário

*