Cirurgia bariátrica: mudanças do físico ao emocional

Profissionais da equipe multidisciplinar de acompanhamento ao paciente contam quais são os principais cuidados no pré e pós-cirúrgico.

A cirurgia bariátrica começa muito antes da operação, tanto para o paciente quanto para os profissionais envolvidos. Isso porque são muitos os fatores que, relacionados, levam à decisão de realizar o procedimento, incluindo saúde emocional e física.

A psicóloga do Grupo São Cristóvão, Aline Melo, explica que o objetivo da avaliação psicológica é identificar alterações emocionais que possam prejudicar a adesão e acompanhamento pós cirúrgico, além de identificar a disponibilidade do paciente para as mudanças provenientes desse tipo de procedimento.

Acompanhamento psicológico e nutricional

Antes da cirurgia

Segundo ela, a cirurgia bariátrica traz uma mudança que irá repercutir de maneira ampla na vida do paciente, e isso envolve diferenças físicas e psicológicas. Nesse aspecto, o acompanhamento psicológico é um grande aliado no pré e no pós-cirúrgico. “O acompanhamento psicológico irá ajudar o paciente a se adaptar às mudanças físicas e de comportamento, além de proporcionar melhor reconhecimento de seus aspectos emocionais”, explica.

Para a nutricionista Cintya Bassi, do Grupo São Cristóvão, também é fundamental que o paciente tenha acompanhamento nutricional no período pré-cirúrgico. O objetivo é corrigir deficiências de vitaminas e minerais decorrentes de uma alimentação desbalanceada que levaram à obesidade. “Nesta etapa, orientamos as mudanças nos hábitos alimentares, que devem ser iniciadas com antecedência, como a mastigação correta e a escolha dos alimentos”, comenta.

Depois da cirurgia

É aí que se inicia o processo de reeducação alimentar, que vai ajudar o paciente a manter os resultados e a qualidade de vida após a cirurgia. A psicóloga conta que a reeducação começa com informação: o paciente aprenderá a associar a nova maneira de se alimentar a escolhas e não a restrições.

Aline frisa que trabalhar essas mudanças em si e observar os pensamentos diante da perda de peso e sua relação com a comida pode levar a pessoa a criar um padrão diferente para lidar com a alimentação. “Quando o cérebro compreende e se adapta a uma reeducação alimentar, o paciente não se sente inibido a comer e sim melhorando as suas escolhas, além de dificultar o boicote de sua alimentação pois não há uma dieta e sim a busca pelo equilíbrio”, diz.

No acompanhamento nutricional, que se faz essencial sobretudo na primeira fase do pós-operatório, o paciente segue um esquema alimentar que mantém a reeducação iniciada no pré-cirúrgico, montada de acordo com a técnica cirúrgica utilizada e suas individualidades. Cintya explica que esse programa alimentar prioriza o aporte de vitaminas e minerais para minimizar possíveis deficiências comuns nesta etapa.

Cuidados especiais

Todos esses cuidados têm o objetivo de promover a saúde física e psicológica que irão garantir o sucesso da cirurgia. Por isso, é tão importante atuar diretamente na causa da obesidade, a qual levou o paciente a buscar a bariátrica. Um dos casos frequentes que levam ao sobrepeso e que precisa ser identificado para um acompanhamento adequado é a compulsão alimentar.

A psicóloga explica que a compulsão alimentar é um transtorno emocional que precisa de um acompanhamento mais aprofundado, visando a fornecer ao paciente recursos na percepção de tais comportamentos e em sua forma de agir. Cintya lembra que é essencial que a compulsão seja acompanhada desde antes da cirurgia, mas deve-se redobrar a atenção depois do procedimento, para que o paciente não volte a repetir os comportamentos que o colocaram em risco.

Além disso, os cuidados com a qualidade da alimentação devem ser intensificados após a cirurgia. Cintya conta que, durante todas as etapas da progressão da dieta, que evolui de líquida para pastosa e, finalmente, livre, a atenção com o valor nutricional é prioridade.

Segundo ela, a suplementação é importante nessa fase, pois o organismo não consegue absorver tudo o que recebe dos alimentos. “Os nutrientes que têm sua absorção mais prejudicada após a bariátrica são: ferro, cálcio, tiamina, ácido fólico, vitamina A, B12, D e E”, reforça.

De tal forma, antes da decisão juntamente com o médico para realização da bariátrica, é necessário analisar todos os cuidados que serão imprescindíveis para o sucesso do procedimento. A bariátrica implica em mudanças que vão muito além da estética e, por isso, é tão importante que sejam conduzidas por uma equipe multidisciplinar e competente.

 

HASHTAGS: #Cirurgiabariatrica #GrupoSaoCristovao #AlineMelo  #CintyaBassi #programaalimentar #compulsaoalimentar

Deixe um comentário