A relação dos alimentos com o mau hálito

 Associação Brasileira de Halitose alerta sobre as causas do problema e indicam meios para combatê-la com dicas no dia a dia.

Associação Brasileira de Halitose alerta sobre as causas do problema e indicam meios para combatê-la com dicas no dia a dia.

Com a chegada do fim do ano, férias, festas,  altas temperaturas marcam a chegada do verão. Nesse período devemos estar atentos a nossa saúde e alimentação que segundo a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) devemos estar atentos à qualidade e composição dos alimentos evitar possíveis problemas, como a halitose.

Sabe-se que existem aproximadamente 60 causas diferentes para o mau hálito, e que é um problema de  multifatorial. Para a dentista Beatriz Alhanati, da ABHA, é importante alertar  a população com algumas dicas e cuidados.

“É certo que 90% das causas de halitose se originam da boca, e em muitos casos a alimentação é um dos principais fatores. O maior cuidado que podemos ter é procurar um profissional capacitado na área da halitose que saberá identificar as causas bucais do problema para poder então eliminá-las adequadamente.”, finaliza Alhanati.

Alimentos que influenciam a halitose

– Comidas gordurosas: ricas em enxofre, se não forem bem metabolizados podem provocar gazes pela fermentação bacteriana, e podendo eliminar parte do gás formado pelo pulmão saindo o odor no ar expirado.

– Bebidas alcoólicas: alteram a flora intestinal, desidratam o organismo, levam a um aumento de descamação de células da mucosa bucal (células que contribuem para a formação da saburra lingual e servem de alimento para as bactérias que fazem parte da cavidade bucal), alteram a resposta neurológica do indivíduo (com uma alteração do nível de consciência a higiene não é realizada de forma adequada).

Alimentos detergentes, que auxiliam na limpeza bucal

– Frutas: maçã, laranja, tangerina, uva e melancia são ricas em vitaminas e minerais. Elas estimulam a salivação, ajudando na limpeza da cavidade bucal, contribuindo como fonte de água e fibras ajudando para um bom trânsito intestinal e também faz com que a cavidade bucal mantenha um pH mais equilibrado, não favorecendo o grupo de bactérias que contribuem para a halitose.

– Frutas secas: As frutas secas (estas concentram mais açúcar por serem desidratadas) podem contribuir como fonte de fibras, de açúcar e também para que não ocorra na cavidade bucal um pH que favoreça a halitose, que é o pH alcalino.

– Gengibre: O gengibre pode ser um alimento colaborador do bom hálito, pois além de estimular a salivação e contribuir também para o processo digestivo.

– Água: A água pode ser vista como fonte imprescindível também para o bom funcionamento do nosso organismo e por isso, deve ser encarada também como um “alimento” auxiliador do bom hálito.

Deixe um comentário

*